Médicos dos EUA alertam que tentativas de suicídio aumentaram 600% durante lockdown

  • 21/05/2020

Médicos dos EUA alertam que tentativas de suicídio aumentaram 600% durante lockdown

Uma organização dos EUA que tem centenas de médicos associados está dizendo ao país que precisa de uma segunda opinião sobre como lidar com essa pandemia do coronavírus sob o ponto de vista médico e psíquico.

Durante uma teleconferência, vários desses profissionais de saúde falaram de resultados médicos horríveis para as pessoas, devido ao pânico excessivo com o coronavírus. Eles também relataram os danos causados ​​a pessoas doentes ou feridas, porque o mundo da medicina lhes foi amplamente cortado, enquanto quase todos os recursos foram redirecionados para lidar exclusivamente com a COVID-19.

A Dra. Simone Gold é uma médica de pronto-socorro, que está documentando esses danos ao entrar em contato com outros profissionais médicos de todo o país e ajudou a formar esse novo grupo chamado ‘A Doctor A Day’.

Por medo do vírus, "eles estão realmente se machucando"

"As pessoas não estão recebendo assistência médica", compartilhou Gold. "Estamos muito preocupados com o fato de os pacientes acreditarem que ficarão doentes se comparecerem a exames médicos. Mas eles estão realmente se machucando".

Elas estão evitando hospitais, mesmo durante emergências.

“Existem todos esses pacientes por aí que não aparecem nos departamentos de emergência”, afirmou Gold. “O volume de pessoas no departamento de emergência é incrivelmente baixo. Talvez 60% do que normalmente nos procurar. E isso se assemelha em quase todo o país. Todos tiveram a mesma experiência, exceto a região metropolitana de Nova York".

"Na verdade, está bastante vazio", ela relatou, dizendo sobre o hospital onde ela trabalha. "Recebi uma carta na semana passada, informando que estão demitindo 50% de nossos técnicos".

As demissões têm sido generalizadas em hospitais em todo o país desde o pandemia.

Repassando relatórios a Trump

Mais de 600 médicos associados ao programa ‘A Doctor A Day’ enviaram uma carta ao presidente dos EUA Donald Trump, pedindo à força-tarefa de combate ao coronavírus que lembre-se de todas as implicações resultantes de uma medida do lockdown.

Nessa carta, eles alertam que milhões de americanos estão ameaçados por grande parte do mundo da medicina ser separada deles ou por eles se isolarem dele.

A carta diz: “Isso inclui 150.000 americanos por mês que teriam um novo câncer detectado através de uma triagem de rotina que não aconteceu, milhões que perderam atendimento odontológico de rotina para corrigir problemas fortemente ligados a doenças cardíacas / morte e casos evitáveis de acidente vascular cerebral, ataque cardíaco e abuso infantil. As ligações telefônicas para o programa de prevenção ao suicídio aumentaram 600%”.

A carta inclui casos reais das próprias práticas dos médicos, que usaram siglas para se referirem aos pacientes, preservando as identidades destes:

“A paciente A.F. tem condições de saúde crônicas, mas anteriormente estáveis. Um transplante que estava agendado foi adiado, o que a levou a ficar sedentária, resultando em embolia pulmonar em abril", diz o relatório.

“O Paciente R.T. é um paciente idoso que mora em um asilo e teve um pequeno derrame no início de março, mas que se esperava ter uma recuperação quase completa. Desde o início do lockdown, ele não faz fisioterapia ou fonoaudiologia, nem recebe visitas. Ele perdeu peso e está definhando em vez de progredir”.

O presidente dos EUA, Donald Trump tem destacado a importância do povo se unir em oração para enfrentar a pandemia do coronavírus. (Foto: Reuters)

“Achatar a curva”?

Na teleconferência, Gold falou sobre o objetivo que os Estados Unidos tinham originalmente quando todos disseram a eles que "deveriam achatar a curva". Esse objetivo visava garantir que os hospitais não ficassem sobrecarregados por milhões de pessoas potencialmente infectadas com coronavírus.

Ela concordou com esse objetivo quando foi entrevistada pela primeira vez, dizendo: "Eu sempre fiquei preocupada se teríamos ventiladores e equipe de UTI suficientes. Era o que eu imaginava ser o problema potencial. Por isso, fiquei encorajada quando as pessoas disseram que ‘tentaríamos desacelerar as coisas’ por esse motivo específico. Teoricamente, isso fazia sentido para mim como médica. Mas tudo o que se seguiu desde então não faz sentido cientificamente e é totalmente prejudicial para a sociedade”

"Não posso dizer com força suficiente que o sistema de saúde não apenas não esteja sobrecarregado, mas também desapontado", insistiu Gold. "Posso falar sobre dezenas de enfermeiros que foram demitidos e dezenas de técnicos que foram demitidos. E, na minha especialidade, os médicos de emergência reduziram suas horas em 35%. Nunca vi nada parecido na minha carreira. O que quero dizer é: a curva foi achatada”.

"A realidade é que já passamos do tempo em que ficar trancados faz algum sentido científico ou médico", disse o Dr. Jeff Barke, médico de atendimento primário em Newport Beach, Califórnia.

Imunidade seriamente prejudicada

Ele falou da ideia de imunidade e abordou o que vê como o perigo e a falta de lógica de manter as crianças e os jovens presos em casa.

"Estamos levando as pessoas mais saudáveis (as mais jovens, as mais fortes: nossos filhos) e, na verdade, estamos protegendo o rebanho mais saudável de ser exposto e permitindo que eles obtenham imunidade", argumentou Barke. "Estamos vendo repetidas vezes, especialmente com as estatísticas sobre crianças, que as crianças são quase completamente poupadas da devastação deste vírus".

O pediatra de Santa Monica, Robert Hamilton, acrescentou: “O COVID-19 tem sido uma infecção relativamente benigna para crianças. Em um estudo com cerca de 150.000 pessoas, apenas 1,7% delas estavam na categoria de idade entre zero e 18 anos”.

Ele ressaltou que os poucos jovens infectados eram em sua maioria assintomáticos, o que significa que o pequeno número de doentes foi, como ele disse, "uma minoria minúscula de uma minoria minúscula".

Mas o fato de a maioria das crianças assintomáticas ter causado o medo de que, se as escolas se abrirem novamente e a maioria dos estudantes forem infectados, eles sem querer levarão o vírus para as pessoas que poderiam ser feridas ou até mortas por ele.

Ou, como Hamilton parafraseou aqueles que se preocupam com isso: "Oh meu Deus, são as crianças que vão infectar todos nós e matar a todos nós!".

Hamilton disse: “Houve um estudo recente após uma criança que se tornou positiva nos Alpes franceses. Ela foi exposto a mais de cem pessoas. Nenhuma delas ficou positivo”.

O pediatra também citou um estudo feito na Islândia que mostra basicamente os mesmos resultados. Ele sugeriu o que esses estudos podem mostrar sobre crianças infectadas.

“Elas [crianças] não são o que eu chamo de 'roedores da peste bubônica', como às vezes as consideramos. As crianças não são realmente a causa do problema ... elas não são os super-espalhadores que as pessoas às vezes pensam”, afirmou.

Então, ele defende que as escolas abram mais cedo ou mais tarde, pois o adiamento disso pode causar muitas crises médicas, em razão da diminuição da imunidade.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/medicos-dos-eua-alertam-que-tentativas-de-suicidio-aumentaram-600-durante-lockdown.html

Aplicativos


Locutor no Ar

Tucuruí Gospel

Programação da Radio Estação Gospel

00:01 - 23:59

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Anderson Freire

Raridade

top2
2. Bruna Karla

Advogado Fiel

top3
3. Aline Barros

Casa do pai

top4
4. Anderson Freire

Acalma o meu coração

top5
5. Aline Barros

Ressuscita-me

Anunciantes